quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Incêndio do Circo completa 49 anos dia 17 (sexta-feira).

O dia 17 de dezembro de 1961 era um dia muito quente. A temperatura rondava os 40 graus. Eu, curtia o domingo assistindo uma partida de futebol no campo do Fonseca Atlético Clube, quando fui alertado por uma emissora de rádio, que o Grand Circus Norte Americano instalado na Praça do Expedicionário, em Niterói -onde hoje funciona um Centro Médico do Exército - estava pegando fogo. Ele, que havia sido inaugurado dois dias antes (15/12/1961).
O incêndio começou no momento em que os trapezistas iriam iniciar o perigoso salto triplo. Ao grito de "incêndio", todos começaram a correr em diversas direções. Ainda cheguei a tempo de ver as labaredas, a fumaça, a correria e o desespero das pessoas, a maior parte com queimaduras, que saiam aos gritos, por um buraco aberto por um elefante, que salvou muita gente, mas que também matou, pisoteando-as. Também vi corpos e mais corpos estendidos no interior do circo e, até mesmo sentados nas cadeiras. Todos que haviam ido se divertir com os palhaços, os trapezistas e os animais, na base da pipoca e do sorvete.
Foi iniciado o rescaldo pelo Corpo de Bombeiros, e o atendimento aos sobreviventes que eram conduzidos aos Hospitais Antônio Pedro, Santa Cruz, Azevedo Lima, Maritimos e para a Santa Casa de Misericórdia, enquanto os corpos dos que morreram eram levados em caminhões para o Ginásio Caio Martins e para o IML a fim de serem reconhecidos e depois sepultados. Muitos foram colocados nos frigoríficos da Indústria Maveroy (que produzia a geladeira Kelvinator), para serem conservados até o sepultamento.
Ás lágrimas escorriam por todos os rostos. Os cirurgiões plásticos Ivo Pitangui e Carlos Caldas, diversos médicos, enfermeiros e voluntários desdobravam-se nos atendimentos. Fui voluntário durante 15 dias no Azevedo Lima, cujo diretor era o saudoso médico Carlos Guida Risso.
A solidariedade do nosso povo e até mesmo internacional, foi enorme. A todo instante chegavam medicamentos,ataduras, alimentos, água. As pessoas corriam de um lado para o outro tentando ajudar de alguma forma. Decorridos tantos anos, ainda não se chegou ao número exato dos que perderam as suas vidas. Dizem que "na maior tragédia em circuito fechado" o número estimado de mortos oscila entre 350 e 400, dos quais 70% eram crianças.
Os culpados foram descobertos: Adilson Marcelino Alves, o Dequinha - condenado a 16 anos e mais seis em manicômio judiciário, que terminou assassinado mais tarde quando fugiu da cadeia - o mentor do crime, porque havia sido despedido do circo; José dos Santos, o Pardal -16 anos e mais um ano em colônia agrícola - e Walter Rosa dos Santos, o Bigode -14 anos e mais um ano em colônia agrícola -. Bigode comprou a gasolina e a jogou sob a lona e Dequinha ateou fogo.
Em São Gonçalo, o então prefeito Geremias de Mattos Fontes desapropriou parte das terras de propriedade do Palacete do Mimi, no bairro Estrela do Norte, e mandou construir o Cemitério de São Miguel, onde foram sepultadas vitimas do incêndio.Uma tragédia que nunca será esquecida!
Durante muitos anos o trauma impediu que crianças e adultos assistissem qualquer espetáculo circense em Niterói e São Gonçalo. Decorridos 49 anos, minha memória ainda está bem nítida em relação à tragédia. Ainda recordo do corpo de uma criancinha, de aproximadamente, dois ou três anos de idade, que morreu pisoteado por um elefante.
N.R. Recentemente, o Departamento de História da UERJ - Patronato - editou um documentário sobre o assunto e fui um dos entrevistados, bem como os médicos Ivo Pitangui, Carlos Caldas, e, os jornalistas Carlos Ruas e Mário Dias.

Texto da foto: Os trapezistas se preparam para a apresentação do salto triplo - a maior atração, mas a mais perigosa -. Nesse instante, alguém gritou: "o circo está pegando fogo". Estabeleceu-se então o pânico. Era o início da tragédia...

Foto: Departamento de Imagem Oral da Universidade Federal Fluminense - UFF -.

Nenhum comentário:

Postar um comentário